Pular para o conteúdo

Fórum de Experiências Exitosas da Saúde de SP tem início com apresentação de projetos de regionalização

Primeiro dia de evento destacou as ações desenvolvidas na saúde dos municípios paulistas

Nesta segunda-feira (20) teve início o 1º Fórum de Experiências Exitosas na Constituição das Redes Regionais de Atenção à Saúde para reconhecimento dos trabalhos desenvolvidos com o suporte dos programas IGM SUS Paulista e Tabela SUS Paulista, do Governo de São Paulo.

O evento, promovido pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) com o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), e realizado no Centro de Convenções do Hospital das Clínicas da FMUSP, na capital paulista, tem como objetivo promover o aprimoramento do processo de pactuação das redes de saúde paulista.

Com a participação de prestadores da área da saúde, gestores municipais e estaduais, e diretores dos Departamentos Regionais de Saúde (DRSs), o primeiro dia do evento contou com a presença do secretário de Estado da Saúde, Eleuses Paiva, que ressaltou a importância da gestão eficiente e do financiamento adequado nas ações do Sistema Único de Saúde (SUS). “Na Regionalização tivemos vários desafios, pois São Paulo apresentava um sistema de saúde heterogêneo. Tínhamos locais com índices de vulnerabilidade extremamente baixos e a partir dessa visão crítica do estado, entendemos a necessidade de delegar funções para as regiões de saúde, propondo um aporte financeiro e o gerenciamento específico para cada ponto”.

Como principais planos de suporte para os municípios, Eleuses mencionou o IGM e Tabela SUS Paulista voltados para otimização da atenção básica à saúde e melhor remuneração dos procedimentos realizados em entidades filantrópicas, como hospitais e Santas Casas.

“Tudo isso colocando aos municípios algumas condições, como ampliar a cobertura vacinal, garantir o acesso aos exames preventivos de câncer de colo de útero, indispensáveis para salvar vidas das mulheres, e investir no pré-natal. Acredito que os resultados dependem também de cada líder regional, para que, juntos, cheguemos ao nosso objetivo de melhorar cada vez mais a saúde”, afirmou o secretário.

Ao longo do primeiro dia do evento foram apresentados 17 trabalhos, separados em três mesas. A primeira, “Tabela SUS Paulista e Pactuações Regionais”, coordenada por Ana Maria Malik, médica e professora titular da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A segunda e terceira apresentação sobre “Regionalização e Acesso” foi conduzida por Carmen Lavras, do Instituto de Pesquisa e Apoio ao Desenvolvimento Social (IPADS), e por Julio Pedroza, da OPAS. Ao final de cada bloco, o debate foi aberto para o público expor dúvidas e outras ideias.

“Um grande marco na nossa gestão é, sem dúvidas, a Regionalização. A partir dela, conseguimos observar avanços ao levar equidade para a saúde, estabelecendo uma escuta ativa e permitindo maior visibilidade às demandas de cada região”, comentou a secretária-executiva da saúde, Priscilla Perdicaris.

Em encontro ao discurso da secretária, Fernando Lelis, da OPAS, analisou a Regionalização como plano fundamental para estruturação do SUS. “A universalidade é um desafio por si só, pois trata-se de um trabalho complexo entender quem são todas as entidades que compõem o sistema de saúde e o que necessitam. Por isso, esse processo da Regionalização chama atenção pela escuta e pelo diálogo permanente que vem acontecendo. Isso é o que traz a motivação constante de continuar caminhando em busca de uma melhor estrutura e garantia de acesso a todos”.

No segundo e último dia do fórum serão premiadas três experiências implementadas nos municípios.

Confira a programação do primeiro dia de evento:
Bloco A

  • Comitê Executivo de Governança da Rede de Atenção à Saúde Bauru Avanços no planejamento e gestão de recurso em saúde: Proposta de Expansão Tabela SUS Paulista;
  • Contribuição da Secretária de Estado da Saúde de São Paulo e da Fundação Hospital Regional do Câncer na ampliação do acesso dos usuários do SUS/SP aos serviços de oncologia de Presidente Prudente;
  • Experiência exitosa na Unidade de Assistência de Alta Complexidade Cardiovascular e Cirurgia Cardiovascular e Procedimentos em Cardiologia Intervencionista da Santa Casa de Barretos;
  • Para uma Melhor Visão: Acesso às Cirurgias Oftalmológicas de Média Complexidade;
  • Papel do prestador de saúde de alta complexidade na organização de Araraquara (RRAS 18) e oferta de serviços antes não disponíveis na região – CPRE / Tabela SUS Paulista.

Bloco B

  • Construção, Desenvolvimento e Proposta de Protocolo de Regulação Regional da Dor Torácica;
  • A Regulação do HMI e a Interligação com a Rede: pactuação com as Unidades CER;
  • Tornando o Coração da Baixada Santista Mais Forte: Estratégias para Reduzir a Mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio – Fluxo Porta Balão;
  • Implementação da Linha de Cuidado do Sobrepeso/obesidade, na Rede de Atenção às Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Processo de Regionalização da Saúde;
  • A construção de rede e diálogos com o Hospital e Maternidade de Rancharia da CIR do Alto Capivari;
  • GT UNACON na CIR de Limeira como ferramenta essencial no aprimoramento da Rede de Assistência Oncológica.

Bloco C

  • Potencialidades da Atenção Básica a partir da regionalização e monitoramento como ferramenta do processo de avaliação de resultados;
  • Qualificação da regulação de urgência da Rede de Atenção Psicossocial do Departamento Regional de Saúde de São José do Rio Preto;
  • Criação de ambulatório especializado para realização de colposcopia no município de Limeira;
  • Celeridade, segurança e qualidade na assistência aos pacientes oncológicos;
  • Núcleo de acesso a qualidade hospitalar (NAQH): Construções coletivas para integralidade do cuidado no SUS;
  • O impacto da Regionalização nos Serviços de Saúde em Matão e Região Noroeste, aprimorando as ações na Saúde Mental e Protocolos de saúde: melhorando o acesso e a qualidade do atendimento.

O que vem pela frente

No segundo dia de programação, a primeira mesa sobre “Governança Regional” será conduzida por Renato Tasca, consultor do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS). Na sequência, João Gabbardo, consultor da Comunitas, coordenará o tema “Revisão de Perfil Assistencial no âmbito da Regionalização”. Encerrando as apresentações do dia, a secretária-executiva da SES, Priscilla Perdicaris, coordenará a mesa “Atenção Ambulatorial Especializada na Regionalização”, e as apresentações das Experiências Exitosas.